Meu filho ainda não fala! O que eu faço?

290 0
Possui graduação em Fonoaudiologia pela Universidade de Franca. Atualmente faz pós-graduação em Psicopedagogia pela Universidade Cruzeiro do Sul. Trabalha como fonoaudióloga clínica, atendendo crianças, adultos e idosos.

Este é um questionamento frequente de pais e mães que têm filhos com idade de um ano e meio a três anos, que não falam ou emitem poucas palavras como “papá”, “mamã”, “dá”, dentre outras. O atraso no desenvolvimento da fala pode estar relacionado à falta de estimulação de linguagem, problemas auditivos, neurológicos, dificuldade motora para articular os sons necessários para a fala, etc.

Sabemos que a comunicação oral é a forma mais utilizada para expressar nossos sentimentos e opiniões, na qual é essencial para se estabelecer vínculos afetivos e interação entre as pessoas. Qualquer alteração no processo de aquisição e desenvolvimento de fala e linguagem pode causar prejuízos para a criança, tanto em aspectos sociais quanto no processo de aprendizagem escolar futuramente.

Estudos descrevem que uma criança desde o nascimento se comunica a partir do choro, olhares e gestos. No segundo mês, inicia-se a fase do balbucio, que é a produção de sílabas repetitivas como “ba ba ba”. No primeiro ano de vida, a capacidade de comunicar-se é descoberta e então surgem as primeiras palavras. Já no segundo ano, a criança fala frases simples e entende uma conversação. Aos três anos é capaz de manter uma conversa coerente, sendo possível entender o que ela diz, podendo ainda haver trocas nos sons da fala, como por exemplo, para se relacionar a “cama” a criança diz “tama”.

Caso você tenha um filho que ainda não fala ou faz muitas trocas, é necessário que ele realize uma avaliação com um Fonoaudiólogo, pois este é um profissional habilitado para diagnosticar e reabilitar distúrbios da comunicação oral, bem como problemas voz e audição, além realizar encaminhamentos para outros profissionais que possam contribuir no caso.

Lembre-se sempre:
üNão compare seu filho com outras crianças da mesma faixa etária, pois cada indivíduo possui seu tempo de desenvolvimento. Se você notar alguma alteração, procure um profissional da área.
üDê nomes aos objetos da casa, partes do corpo, animais, frutas, legumes, etc. Isso ajuda no desenvolvimento da linguagem da criança.
üConverse bastante com seu filho. Perguntem sobre o que ele está brincando, quais são os nomes dos personagens do seu desenho favorito, o que ele gosta de comer ou onde gosta de passear.

REFERÊNCIAS:
1. Prates, L. P. C. S; Martins, V. O. Distúrbios da fala e da linguagem na infância. Rev Med Minas Gerais 2011; 21(4 Supl 1): S54-S60.

2. Moura, Paula. Marcos do desenvolvimento infantil. Disponível em: http://paulamourafono.com.br/wp-content/uploads/2018/02/MARCOS-DO-DESENVOLVIMENTO-INFANTIL.pdf. Acesso em: 12 de abril de 2018.

Related Post